Sob um Céu de Mármore Branco, de John Shors

"Uma grandiosa história de amor, passada no Hindustão, tendo o Taj Mahal como pano de fundo. Uma intriga empolgante que encerra a verdade secreta do mítico mausoléu! Em 1632, o imperador do Hindustão, Shah Jahan, consumido pela dor por morte da Imperatriz, Mumtaz Mahal, ordenou a construção de um grande mausoléu que simbolizasse a grandeza do seu amor. Contra cenários de fundo de inimaginável riqueza e poder, de rivalidades fratricidas e de cruel despotismo, a princesa Jahanara narra a extraordinária história da edificação do Taj Mahal, descrevendo a sua própria vida como agente da sua criação e testemunha dos eventos fatídicos que rodearam a sua conclusão. Como princesa e mãe, como irmã e filha, Jahanara depara-se continuamente com escolhas impossíveis e descobre o verdadeiro significado da sua herança régia. Em Sob um Céu de Mármore Branco, John Shors recria um Hindustão histórico, transbordando de intriga empolgante e encerrando a verdade secreta do Taj Mahal, para um mundo que continua a vergar-se perante a sua eterna majestade."

A Minha Opinião:
Uma história de Amor sublime!
Já sabia que o Taj Mahal havia sido cronstruido po amor, o que não sabia é que não foi apenas o grande amor do Imperador pela sua esposa "Mumtaz Mahal" (a Joía do Palácio), mas uma outra belissima história de amor, que me fez ficar "pegada" ao livro!
Há muito amor neste livro, mas também muita traição e muito ódio.
Um Romance histórico à minha medida ;)

O Taj Mahal


O Taj Mahal é um mausoléusituado em Angra, uma cidade daÍndia e o mais conhecido dos monumentos do país. Encontra-se classificado pela UESCO comoPatrimonio da Humanidade. Foi recentemente anunciado como uma dasNovas Sete Maravilhas do Mundo Moderno.
A obra foi feita entre 1630 e 1652 com a força de cerca de 22 mil homens, trazidos de várias cidades do Oriente, para trabalhar no sumptuoso monumento de mármore branco que o imperador Shah Jahan mandou construir em memória de sua esposa favorita, Aryumand Banu Begam, a quem chamava de Mumtaz Mahal ("A jóia do palácio"). Ela morreu após dar à luz o 14º filho, tendo o Taj Mahal sido construído sobre seu túmulo, junto ao rio Yamuna.
Assim, o Taj Mahal é também conhecido como a maior prova de amor do mundo, contendo inscrições retiradas do Corão. É incrustado com pedras semipreciosas, tais como o lápis-lazúli entre outras. A sua cúpula é costurada com fios de ouro. O edifício é flanqueado por duas mesquitas e cercado por quatro minaretes.
Supõe-se que o imperador pretendesse fazer para ele próprio uma réplica do Taj Mahal original na outra margem do rio, em mármore preto, mas acabou deposto antes do início das obras por um de seus filhos.

A Árvore dos Segredos, de Santa Montefíore

"Um amor proibido nas Pampas argentinas. Numa apaixonante paisagem onde o sol se põe em tons de fogo, a escritora inglesa, Santa Montefiore, escreve um épico de amor, desilusão e segundas oportunidades. No rancho de Santa Catalina os irmãos Solanas vivem e crescem juntos. Quando Paco se apaixona por uma irlandesa, Anna Melody, tudo muda na família. A filha de ambos, Sofia, que cresceu sob a sombra da Ombu na quente planície, vive um amor proibido que a obriga a deixar a terra que sempre amou. Uma saga de família a levar-nos da Inglaterra à Argentina, numa cuidada narrativa de emoções fortes com um inigualável odor a gardénias..."



A Minha Opinião:

Este foi sem duvida o mais belo romance histórico que li este Ano!
Adorei!
Sofia Solanas e a sua familia ficarão por muito tempo no meu pensamento e de certo este é um dos livros que irei reler...

Aqui ficam umas linhas com uma maravilhosa história que dá que pensar:

"...
- É uma pequena história sobre "O Presente Precioso".
- O presente precioso.
- É uma história verdadeira sobre um rapazinho que vivia com os avós. O avô era um homem sereno e espiritual que lhe contava histórias maravilhosas. Uma das histórias que contou ao neto foi a do Presente Precioso. - ... - O menino ficou muito entusiasmado e perguntou ao avô que presente era. O velho disse-lhe que, a seu devido tempo, ele acabaria por descobrir, mas que era uma coisa que lhe traria uma felicidade duradoura como nunca antes sentira. Então o rapazinho manteve os olhos bem abertos e quando lhe deram uma bicicleta no dia dos anos, pensou que fosse aquele o "Presente Precioso", que o avô lhe descrevera. Mas, algum tempo depois, aborreceu-se do brinquedo novo e aprecebeu-se que aquele não poderia ser o "Presente Precioso", porque o avô lhe tinha dito que lhe traria uma felicidade duradoura.
Então o rapazinho cresceu e transformou-se num jovem que conheceu uma rapariga por quem se apaixonou. Por fim, pensou, «É este o presente precioso que me vai trazer a faliciade duradoura.». Mas discutiram, não se entenderam e acabaram por se separar. Então o jovem viajou e correu o mundo e em cada lugar novo pensou ter encontrado a verdadeira felicidade, mas estava sempre à procura de mais um país, de mais um local maravilhoso e descobriu que a felicidade nunca durava muito. Era como se procurasse uma coisa inatingível, mas que, mesmo assim procurava. E isto entristecia-o. Depois, tendo voltado a casar-se e já com filhos, achou que ainda não tinha descoberto o seu "Presente Precioso" de que o avô lhe tinha falado e começou a ficar desiludido.
Por fim o avô morreu e com ele o segredo do "Presente Precioso".... ou pelo menos foi o que o jovem pensou. Sentou-se muito triste a pensar nos momento felizes que tinha partilhado com o seu sábio avô. E por fim, depois de tantos anos de busca apercebeu-se.
Porque seria que o seu avô estava sempre tão satisfeito, tão contente, tão sereno? Porque seria que, quando se falava com ele, ele nos fazia sentir a pessoa mais importante deste mundo? Porque seria ele capaz de criar uma atmosfera tão pacifica à sua volta que a passava a todos que conhecia? Afinal o Precioso Presente não era um presente no sentido material da palavra. Era de facto o aqui e agora, o presente, el momento... ahora.
O avô tinha vivido o momento e saboreara cada segundo. Não existia o amanhã, pois porque razão gastar energia numa coisa que pode não acontecer? E não se demorava no ontem, porque ontem já passar e já não existia.
O Presente é a unica realidade e para obter a felicidade duradoura é preciso aprender a viver o aqui e agora e não nos preocuparmos ou perdermos tempo com outras coisas..."

Aqui fica a imagem da Árvore dos Segredos ;)

O ombu é um símbolo da cultura gaúcha do Uruguai e da Argentina, já que a sua copa é identificável à distância, providenciando abrigo contra a chuva e o sol (daí o chamar-se bela-sombra). Pela mesma razão é cultivada como árvore ornamental e de sombra. Crescendo de forma isolada, era chamado o farol das pampas.

O Anjo de Pedra, de Katherine Scholes

"Stella Boyd é uma jornalista de sucesso que reporta de alguns dos lugares mais exóticos e perigosos do mundo. É jovem, independente e o seu lar é qualquer lugar onde o trabalho a leva. É então que um fax urgente chega e seis palavras ameaçam desmoronar o seu mundo: “O teu pai desapareceu no mar...”
Poucos dias depois, Stella está de volta à pequena vila piscatória onde cresceu. Há mais de quinze anos que não regressava e tem medo das recordações que a aguardam... Mas quando Stella participa na busca do pai, vê-se transportada para 1975. Para aquele Verão quando conheceu Zeph, um jovem que navegava o mundo sozinho. Um extraordinário Verão que acabou em tragédia...
Conseguirá Stella enfrentar ódios antigos para que o amor possa finalmente curar as suas feridas?"

A Minha Opinião:

Adorei!
Li-o seguidinho ;)
Uma história simples e muito triste apesar do final feliz!Stella conseguiu desvendar os "mistérios" do seu passado abrindo assim uma brecha para alcançar a felicidade com alguns anos de atraso!As descrições do seu "problema" são arrepiantes, fazendo com que não se consiga interromper a leitura e fica-se com um sentimento de impontência que parece real... queremos chegar-lhe para a ajudar...
É daqueles livros que só se pode ler com lenços de papel bem à mão :)

(Bem haja Semidio por mais esta preciosidade!)

A Outra Face do Amor, de Catherine Dunne

"A sequela do bestseller internacional Nunca É Tarde Para Recomeçar é agora publicada recuperando a história de Rose, abandonada pelo marido Ben, após vinte anos de casamento. Com a ajuda de uma boa rede de amigos, uma grande determinação e trabalho duro, Rose não só conseguiu sobreviver emocionalmente a uma perda tão profunda, como se tornou uma bem sucedida mulher de negócios. Um dia, a campainha da porta toca e para surpresa de todos Ben reaparece mostrando-se interessado em reatar a relação com os filhos e recuperar metade do património familiar que considera pertencer-lhe. Rose lutará com toda a perseverança para garantir a salvaguarda do seu legado, com a ajuda do contabilista Sam, por quem acabará por se apaixonar."


A Minha Opinião:


Comecei logo a lê-lo assim que terminei o "Nunca é tarde para recomeçar".
Digamos que não gostei tanto como o outro, pois aqui as coisas já não foram tão bem sucedidas, apesar de Rose ter conseguido passar por cima de todos os seus problemas e encontrar de novo uma estabilidade para si e a sua familia.
Mas foi é sem duvida uma Autora que vai ficar na minha lista!

(Bem Haja Wiccaa!)

Nunca é tarde para recomeçar, de Catherine Dunne

"Rose é uma mulher de quarenta e dois anos que vive para o marido e para os três filhos. Tem um casamento, aparentemente feliz, de vinte anos com Ben, um empresário de sucesso. Numa manhã como tantas outras, enquanto Rose prepara o pequeno-almoço para a família, Ben comunica-lhe que já não a ama e que a vai deixar. Durante algum tempo, a culpa, o desespero e a raiva dominam-na, mas Rose depara-se com a triste realidade: está sozinha, sem dinheiro e tem três filhos para sustentar. É então que a sua vida dá uma volta de 180º... "Nunca É Tarde para Recomeçar" é o diário lúcido e dramático da nova vida de Rose, que vai alternando em flashback com a vida passada, dos seus sonhos de juventude e ilusões românticas acerca do seu casamento. Uma história intensa e comovente marcada por um forte realismo, que regista os esforços de uma mulher para recomeçar."

A Minha Opinião:

Mais uma história de uma Mulher que se vê obrigada a recomeçar do zero já depois de terem vivido metade da sua vida subjugada ás vontades dos outros.
Gostei da maneira simples da Rose encarar toda a situação. "Um dia de cada vez".

(Bem Haja Wiccaa por mais este empréstimo.)

O Traficante de Armas, de Hugh Laurie

"Thomas lang é um ex-polícia que se tornou um mercenário. Um dia recebe a visita de um tal McClusky, que lhe oferece cem mil dólares para assassinar Alexander Woolf, um empresário americano com negócios na Inglaterra e Escócia. Indignado, Lang recusa o trabalho e decide avisar a vítima para o perigo que corre, em vez de matá-la: uma boa acção que não ficará impune.
A partir do momento em que o protagonista entra em contacto com a família Woolf ver-se-á imerso num turbilhão de mentiras, corrupção e violência, que o obrigará a esmagar umas quantas cabeças com a estatueta de um Buda, a medir o seu engenho com multimilionários malvados e deixar a sua vida (entre outras coisas) nas mãos de um grupo de femmes fatales.
Hugh Laurie apresenta-nos um engenhoso e ácido romance que fará as delícias não só dos seus fãs, mas também de todos os leitores ávidos por enredos originais e cativantes."


A Minha Opinião:

Gostei, mas não é realmente o meu género de livro!
A não ser pelas piadas que associei ao "humor negro" do Autor na sua personagem televisiva e não teria conseguido levar a leitura até ao final!

(Bem Haja Fern2005 e PRCarvalho pela oportunidade de o ler)

Jogo de Mãos, Nora Roberts

"Max Nouvelle é o patriarca de uma ilustre família de ilusionistas e ladrões de jóias, constituída por Lily – a sua companheira; Roxanne – a sua filha, tão linda quanto casmurra; e Luke – um rapaz que Max recolheu das ruas e que entretanto se transformou num homem muito interessante. No palco fazem números elaborados e, fora dele, assaltos ainda mais refinados. Durante muitos anos Roxanne e Luke deram-se como cão e gato mas agora, já adultos, descobrem que há entre eles algo que não esperavam. Mas é então que Luke, receoso que o seu passado manche a sua família adoptiva, é vítimade alguém que quer vingar-se dos Nouvelle. E vão ser precisos alguns anos em fuga antes que ele volte e, juntamente com Roxanne, dê o golpe mais audacioso das suas vidas.Com Jogo de Mãos, Nora Roberts revela-nos um mundo glamoroso onde a paixão e o mistério se entrelaçam e nada parece o que é."


A Minha Opinião:
Gostei!
Desta vez Nora leva-os até uma familia de Ilusionistas :)Uma história recheada de Magia, Ilusões, Amor mas também muitas intrigas e crimes!Como sempre um livro que se lê de um fôlego!

A Hora da Morte, de Lisa Gardner

"Dia apos dia, esperava que o primeiro cadaver fosse descoberto - um corpo contendo todas as pistas de que os detectives precisavam para encontrar a segunda vitima, que aguardava uma morte lenta, mas certa.As horas passavam - o salvamento era possivel, mas a policia nunca chegou a tempo.Passaram-se anos, porém para este assassino o tempo parara. Quando uma vaga d calor se abate sobre a região, o jogo recomeça. Duas raparigas desaparecem - e as horas continuam a passar.Ã agente do FBI Kimberly Quincy sabe que vai ter de infrigir algumas regras para vencer um criminoso cruel no jogo que ele aperfeiçoou. A hora da morte chegou."

A Minha Opinião:

Fantástico!
Como sempre faço com os livros desta autora, peguei-lhe e só o larguei quando terminei!
Quando o comecei apercebi-me logo que já conhecia a personagem principal, por isso foi-me muito fácil "entrar" na história e perceber as reacções dela a toda a situação... mas confesso que tive de ir procurar de que livro ela vinha ;)

Kimberly Quincy foi a sobrevivente do A Vingança dos Olhos Negros!
Kimberly vai resolver o caso do "Assassino Ecológico" de uma forma brilhante, com a ajuda do seu pai e assim conseguir neste livro, perceber que o que lhe aconteceu no passado e assim seguir com a sua vida, por isso quem quiser ler este, aconselho a que leia o outro primeiro ;)

Aliás, aconselho a que leiam todos os livros desta autora, ela supera e muito, autoras como a Mary Higgins Clark e Patricia MacDonald.

(Bem Haja Pentax que me fizeste descobrir a autora e desde sempre me envias os livritos dela para eu me deliciar!!!)

O Jardim Encantado, de Sarah Addison Allen

"Num jardim escondido por trás de uma tranquila casa na mais pequena das cidades, existe uma macieira e os rumores que circulam dão conta de que dá um tipo muito especial de fruto. Neste encantador romance, Sarah Addison Allen conta a história dessa árvore encantada e das extraordinárias pessoas que dela cuidam...
As mulheres da família Waverley são herdeiras de um legado mágico — o jardim familiar, famoso pela sua macieira, que produz frutos proféticos, e pelas suas flores comestíveis, imbuídas de poderes especiais que afectam quem quer que as coma.
Proprietária de uma empresa de catering, Claire Waverley prepara pratos com as suas plantas místicas — desde as chagas que ajudam a guardar segredos até às bocas-de-lobo destinadas a desencorajar intenções amorosas. Entretanto, a sua idosa prima Evanelle é conhecida por distribuir presentes inesperados cuja utilidade se torna mais tarde misteriosamente clara. São elas os últimos membros da família Waverley — com excepção da rebelde irmã de Claire, Sydney, que fugiu da cidade há muitos anos.
Quando Sydney regressa subitamente a Bascom com uma filha pequena, a tranquila vida de Claire sofre uma reviravolta, bem como a fronteira protectora que erigiu tão cuidadosamente em redor do seu coração. Juntas uma vez mais na casa onde cresceram, Sydney reflecte sobre tudo o que deixou para trás ao mesmo tempo que Claire se esforça por sarar as feridas do passado. E em pouco tempo as irmãs apercebem-se de que têm de lidar com o seu legado comum para viverem as alegrias do futuro que se anuncia."


A Minha Opinião:
Simplesmente Delicioso.
Devia haver mais livros assim, que nos fazem sonhar...
As receitas da Claire são uma maravilha, mas relação e reaproximação das duas irmãs que foi acontecendo ao longo da história foi muito bonita.
Ah... a partir de agora vou passar sempre longe de Macieiras ;)

(Bem Haja Ligiafteixeira por este "delicioso" empréstimo!)

6 de abrir '96, de Sveva Casati Modignani

"Numa manhã de Verão, na igreja milanesa de San Marco, uma jovem e belíssima mulher é brutalmente atacada. Quando desperta da delicada cirurgia a que foi entretanto submetida tem perante si a difícil tarefa de recuperar a sua própria identidade, já que a violência de que foi vítima lhe provocou a perda da memória. As recordações avivam-se pouco a pouco e é penosamente que ela recompõe a sua história e a da sua família. Mas é um processo doloroso, pois Irene Cordero – é este o seu nome – carrega consigo uma pesada herança. Já a mãe e a avó haviam pago caro as tentativas de seguir os ditames do seu coração, violando a moral, as convenções e a cultura de um mundo rural que as obrigava à submissão e à obediência; um doloroso estigma que tão- pouco poupa Irene que, com apenas dezoito anos, abandona o campo e parte em busca do seu próprio caminho. Porém, não obstante o sucesso profissional e o bem-estar económico, Irene não consegue encontrar o equilíbrio emocional. Será necessária uma crise profunda para que ela encontre forças para se renovar, para fazer as pazes com o passado e para aguardar o amanhã com serenidade e confiança."


A Minha Opinião:
Esta é uma das minhas autoras de eleição e este livro um dos poucos que me faltava ler.
Gostei muito da história, que nos mostra como as mulheres se tinham de subjugar ao marido e à vida familiar, deixando para trás as suas vontades. Depois das histórias da sua Mãe e Avó, Irene acaba por perceber que através das suas escolhas ao longo do tempo (que nem sempre foram as melhores), ela acabou por perceber que não precisa de se subjugar a nenhum homem para ter a sua vida e continuar em frente com o seu filho, percebe também que o seu lugar é no campo e não na cidade para onde fugiu para não ser uma camponesa como a sua mãe e avó.
Por vezes o tentar fugir das nossas raizes é a maior façanha das nossas vidas pois ajuda-nos a perceber que o mais importante é exactamente aquilo que queremos deixar para trás.

Perseguida pelo Passado, de Melissa Nathan

"Annie Markham é uma mulher meiga, doce e simpática à excepção do seu lado sombrio. Um lado sombrio chamado Jake Mead. Sete anos antes ele era tudo para ela, até que um mal entendido, o fez desaparecer da sua vida, deixando-a incapaz de voltar a amar. Contudo, apesar da dor, Annie seguiu em frente.
Agora, por um acaso do destino Jake voltou a entrar na sua vida. E ele é o único que pode salvar a empresa familiar da falência. Mas Annie sabe que Jake tem um calcanhar de Aquiles. Um calcanhar de Aquiles chamado Annie Markham. Também ele nunca recuperou do que ela lhe fez uns anos atrás. É a oportunidade perfeita para, como se costuma dizer, “pôr um ponto final”, agora que ele voltou a ter Annie e a sua empresa nas mãos. Mas que Jake chama de… vingança."


A Minha Opinião:

Fiquei um pouco desiludida com este livro!
Estava à espera de uma história mais elaborada, mas não...
A história decorre de uma forma muito rápida ficando muitas situações por esclarecer, dando na maioria das vezes destaque a coisas que realmente não interessavam nada para o desenrolar da vida de Annie.
Mesmo assim gostei, não é um dos meus favoritos, mas gostei de conhecer a obra desta autora e vou procurar os outros que tem editados e ver como são...

A Autora:
Melissa Nathan nasceu e cresceu em Hertfordshire. Foi jornalista durante 12 anos e começou a escrever romances a tempo inteiro em 1998.
Pouco tempo depois "Pride, Prejudice and Jasmin Field" e "Perseguida pelo Passado" eram publicados.
Melissa descobriu que tinha cancro da mama enquanto escrevia o seu 1º romance para a editora Random House, "The Nanny", que entrou para o Top Ten do Sunday Times na Pimavera de 2003. Escreveu outro bestseller, "The Waitress", e acabou o seu 5º romance "The Learning Curve" em Fevereiro de 2006.
Infelizmente faleceu 2 meses depois com 37 anos deixando o marido Andrew, e o filho, Sam.

(Bem haja Semidio pelo empréstimo!)

Grupo Mensal de troca de livros


O Grupo de troca de livros do BC!
A mim foi-me atribuido o mês de Agosto por isso aqui fica a lista dos livros que já recebi:

»» A Caixa da Borboleta, Santa Montefiore - catiaborboleta
»» Expiação, Ian McEwan - Bikovska
»» A Portuguesa de Nápoles, Enzo Striano - fbeatriz
»» Todos os Nomes, José Saramago - Jota-P
»» O Elogio do Fracasso, João Teixeira Freire - wiccaa
»» Tempo de Espera - Diário de uma Grávida, Carme Riera - Patricialeao
»» Memória das Minhas Putas Tristes, Gabriel García Márquez - Baiia
»» Tardes de Chuva e Chocolate, Amalia Decker Márquez - Tanea31
Bem haja a todos!

A Felicidade Mora ao Lado, Jill Mansell

"Tudo começa com um cortador de relva vermelho novinho em folha. Quando Nancy vê o seu presente de Natal no relvado, compreende que a jóia que pensava ser para si deve estar no corpo de outra mulher. A sua melhor amiga, Carmen, não está surpresa (ela nunca gostou do Jonathan) e convence Nancy a deixar Edimburgo e a instalar-se no seu apartamento de luxo em Londres, grande demais para Carmen desde que o seu marido — uma estrela milionária do rock — morreu. Pouco depois, Nancy conhece o delicioso Connor O’Shea — este vive mesmo ao seu lado — e a sua filha Mia, que tem grandes planos para o pai. Também Carmen, que sempre dissera não querer mais nenhum homem na sua vida, sente um arrepio quando está junto de Joe — um borracho que costuma fazer trabalho voluntário. Infelizmente Joe não é exactamente quem aparenta…"

A Minha Opinião:
Adorei.
Uma história "leve", que nos diverte imenso e nos mostra que na grande maioria das vezes a felicidade está mesmo ao nosso lado e nós teimamos em não a ver.
Apesar da sinopse desenganem-se os que acham que vão ler episódios tristes e "doentios" de pessoas desesperados com desilusões amorosas, vão sim rir imenso com as aventuras e desventuras da Nancy, Carmen e Rennie, mas quando "chegarem" a Mia e o Zac, aí sim a diversão aumenta!
Lê-se muito bem, pois a escrita não é nada elaborada, nem com muitos detalhes, o que faz a história fluir de uma forma avassaladora e quando damos por nós... já está lido ;)

(Bem Haja semidio pelo empréstimo!)

Se eu te pudesse ver agora, de Cecelia Ahern

"Com seis milhões de livros vendidos em todo o mundo, Cecelia Ahern tem-se destacado por um estilo de escrita original e com enredos criativos que prendem o leitor por situações inusitadas. Depois de P.S. Eu Amo-te, o romance de estreia, traduzido em mais de 40 países e de Para Sempre, Talvez, a filha do primeiro ministro irlandês apresenta-nos um narrador, Ivan, que é um ser imaginário, com a função de acompanhar uma criança que precise de um amigo. Essa criança é Luke, um menino de seis anos que vive com a tia, Elizabeth, de trinta e quatro anos, fria, metódica, obsessivamente trabalhadora que inicialmente não aceita a nova relação do sobrinho com um amigo que ela não consegue ver. Só depois de fazer uma pesquisa na Internet, Elizabeth se sente mais aliviada por saber que os amigos imaginários não são um sinal de solidão mas de criatividade infantil. Um romance divertido, com humor que apela para um imaginário característico dos adolescentes que muitos adultos já perderam mas que deveriam recuperar em nome de um encontro consigo próprios."

A Minha Opinião:
Um livro belissimo que nos toca realmente ao fundo da alma.
Diverti-me imenso com as aventuras da Elizabeth e do seu Ivan...
Todas as crianças deveriam tem um amigo assim... e não só as crianças, pois os adultos tendem a esquecer que já foram crianças e como se divertiam com as suas brincadeiras.
No nosso dia a dia, basicamente fazemos aquilo que tem de ser feito, damos prioridade a coisas que muitas vezes não deviamos relegando para segundo plano aquilo que realmente importa.
Será que se mostrássemos um pouco da criança que existe em nós a vida não nos pareceria mais bela???

"- Sabe, é interessante - ele voltou a inclinar-se para a frente -, as crianças aprendem muito mais, mas de longe muito mais depressa do que os adultos. Sabe por que razão isso acontece?

- Porque têm um espírito aberto. Porque querem saber e querem aprender. Os adultos - abanou a cabeça com tristeza - acham que sabem tudo. Crescem e esquecem rapidamente, e, em vez de continuarem de espírito aberto e cultivarem essa atitude, decidem escolher aquilo em que devem ou não acreditar. Não se pode escolher as coisas, ou se acredita nelas ou não. Por isso é que eles aprendem mais devagar. São mais cínicos, perdem a fé e só querem conhecer as coisas que os vão ajudar no dia-a-dia. Não lhes interessa os extras. Mas, Elizabeth - (...) - São os extras que fazem a vida.
- Que fazem a vida o quê? - sussurrou ela.
- Que dão sentido à vida.
- Só isso?
- O que quer dizer com "só isto"? O que mais consegue você ter além da vida, o que mais pode você pedir além da vida? Ela é uma dádiva. A vida é tudo, e você só a vai viver como deve ser quando acreditar.
- Acreditar em quê?
- Oh, vai ver que vai descobrir..."

Um livro que nos faz pensar em tudo o que npos rodeia diáriamente e que pura e simplesmente "não vemos" porque não queremos ver...

(Bem Haja Fern2005 por mais este empréstimo!)

A Canção de Kali, Dan Simmons

"Um manuscrito com poderes inimagináveis. Uma seita de assassinos disposta a tudo para o possuirRobert Luczak, jornalista e editor, é enviado a Calcutá para recuperar um manuscrito de uma raridade incalculável. O seu autor é um obscuro poeta indiano que morreu há quase dez anos. O manuscrito, no entanto, é mais recente, e estranhos rumores dizem que o autor ressuscitou para escrever essa obra.Aconselhado por um amigo a não aceitar a missão, Robert ignora o aviso e até leva a mulher e a filha recém-nascida. Uma decisão que o irá atormentar para o resto da vida. Calcutá é um lugar selvagem, agressivo, imundo e infinitamente estranho. Logo que chega Robert é arrastado para as entranhas da cidade e descobre que não é o único a perseguir o valioso manuscrito. O Culto de Kali - uma temível seita que conspira para invocar a Deusa da Morte e libertá-la sobre a Terra - está disposto a tudo para o encontrar: sangue, morte e até sacrifícios humanos.A Canção de Kali é a história de um homem disposto a ir ao próprio Inferno e a arriscar muito mais do que a vida. E você... está pronto para ouvir esta canção?"


A Minha Opinião:

Um livro estranho... assustador e tenebroso.
Custou-me imenso a ler, estive para desistir diversas vezes, mas parecia que quanto mais "negra" e assustadora se tornava a história mais o livro me "agarrava".
As descrições sobre o Culto de Kali são de uma monstruosidade inexplicável, eu queria deixar o livro e parecia que até eu estava embrenhada no próprio culto.
A Canção de Kali (escrita em 1977) é descrita no livro como que um profecia dos anos que lhe sucedem, como uma premonição das monstruosidades que se iriam passar na sociedade em geral, mas também como um incentivo a que todos entrassem no Culto de Kali e passassem a praticar essas mesmas monstruosidades.

"As caveiras eram humana, demasiado pequenas para serem de adultos. As órbitas vazias observavam-nos com a mesma intensidade dos olhos famintos da Deusa.

O mundo é dor,
oh Terrivel esposa de Xiva
Tu mastigas carne
...
Oh Terrível esposa de Xiva
A tua lingua sorve o sangue,
Oh Mãe Negra, oh Mãe desnuda"


Robert arriscou tudo para conseguir o manuscrito da Canção de Kali, perdeu a sua filha da forma mais horrivél possivél e voltou a casa com o maléfico manuscrito que nunca publicou, mas mesmo assim não conseguiu que a mensagem não fosse passada, pois os cultos continuaram e o próprio poeta conseguiu anos mais tarde a sua publicação...


"A Canção de Kali coninua a ser cantada.
Um dos meus estagiários é um parente distante daquele aluno do liceu da Califórnia que violou e assassinou a namorada, e depois convidou os catorze amigos para virem visitar o cadáver durante um período de tres semanas. Um deles até deixou cair um tijolo na cabeça da rapariga para se certificar que estava mesmo morta. Ninguém se lembrou de avisar a Polícia.
...
A Era de Kali já começou."

Como diz o autor no final:

"A Canção de Kali está conosco. Já está conosco desde há muito tempo. É um coro que cresce, cresce e cresce.
Mas existem outras vozes que devem ser ouvidas. Outras canções para ser cantadas."


Já me alonguei demasiado nesta opinião...
Resumindo: foi-me muito dificil de ler este livro, acabei por não dormir na noite em que o terminei a pensar em tudo o que temos à nossa disposição e dos nossos filhos no dia a dia, desde os livros, à musica, a Internet e muito mais coisas, cabe-nos a nós escolher a canção que queremos cantar, só nos resta que a nossa escolha seja a mais acertada.
(Bem Haja Ligiafteixeira por mais este empréstimo)

O Prenúcio das Águas, Rosa Lobato Faria



"Tendo como pano de fundo uma aldeia condenada a ficar submersa pelas águas de uma barragem, cinco narradores falam de si, completando, à medida que o fazem, uma história a que só o leitor terá direito..."


A minha opinião:

Simplesmente lindo!
Já me tinha aconselhado esta autora, mas não sei porquê sempre tive alguma renitências em relação a ela... Fiz mal!

Tem uma escrita melodiosa que nos envolve da primeira à ultima linha.
No desenrolar da história e nos relatos de vida dos vários personagens descobrimos lendas, costumes do Alentejo, as suas vivencias e apercebemo-nos também dos sentimentos de toda a população em relação ao facto de deixarem a aldeia Rio do Anjo para esta ficar submersa pelas águas da barragem.

Foi um história que me cativou desde inicio talvez porque eu própria fui à verdadeira "Rio do Anjo" (Aldeia da Luz) e pude sentir o estado de espirito da população... e até mesmo dos visitantes como eu.
Ao olhar a Igreja, o Pelourinho e a pequena fonte que havia no centro da Praça Principal, os bancos do Jardim... como era possivél que tudo aquilo fosse ficar debaixo de água!
Enfim...
Voltando ao livro, gostei mesmo muito e a Autora é mais uma a acrescentar à lista.
Agora, aqui vos deixo uma imagem da belissima Aldeia da Luz que está lá, no fundo da Barragem...

(Bem Haja PontoVirgula pela oportunidade ;)