A Canção de Kali, Dan Simmons

"Um manuscrito com poderes inimagináveis. Uma seita de assassinos disposta a tudo para o possuirRobert Luczak, jornalista e editor, é enviado a Calcutá para recuperar um manuscrito de uma raridade incalculável. O seu autor é um obscuro poeta indiano que morreu há quase dez anos. O manuscrito, no entanto, é mais recente, e estranhos rumores dizem que o autor ressuscitou para escrever essa obra.Aconselhado por um amigo a não aceitar a missão, Robert ignora o aviso e até leva a mulher e a filha recém-nascida. Uma decisão que o irá atormentar para o resto da vida. Calcutá é um lugar selvagem, agressivo, imundo e infinitamente estranho. Logo que chega Robert é arrastado para as entranhas da cidade e descobre que não é o único a perseguir o valioso manuscrito. O Culto de Kali - uma temível seita que conspira para invocar a Deusa da Morte e libertá-la sobre a Terra - está disposto a tudo para o encontrar: sangue, morte e até sacrifícios humanos.A Canção de Kali é a história de um homem disposto a ir ao próprio Inferno e a arriscar muito mais do que a vida. E você... está pronto para ouvir esta canção?"


A Minha Opinião:

Um livro estranho... assustador e tenebroso.
Custou-me imenso a ler, estive para desistir diversas vezes, mas parecia que quanto mais "negra" e assustadora se tornava a história mais o livro me "agarrava".
As descrições sobre o Culto de Kali são de uma monstruosidade inexplicável, eu queria deixar o livro e parecia que até eu estava embrenhada no próprio culto.
A Canção de Kali (escrita em 1977) é descrita no livro como que um profecia dos anos que lhe sucedem, como uma premonição das monstruosidades que se iriam passar na sociedade em geral, mas também como um incentivo a que todos entrassem no Culto de Kali e passassem a praticar essas mesmas monstruosidades.

"As caveiras eram humana, demasiado pequenas para serem de adultos. As órbitas vazias observavam-nos com a mesma intensidade dos olhos famintos da Deusa.

O mundo é dor,
oh Terrivel esposa de Xiva
Tu mastigas carne
...
Oh Terrível esposa de Xiva
A tua lingua sorve o sangue,
Oh Mãe Negra, oh Mãe desnuda"


Robert arriscou tudo para conseguir o manuscrito da Canção de Kali, perdeu a sua filha da forma mais horrivél possivél e voltou a casa com o maléfico manuscrito que nunca publicou, mas mesmo assim não conseguiu que a mensagem não fosse passada, pois os cultos continuaram e o próprio poeta conseguiu anos mais tarde a sua publicação...


"A Canção de Kali coninua a ser cantada.
Um dos meus estagiários é um parente distante daquele aluno do liceu da Califórnia que violou e assassinou a namorada, e depois convidou os catorze amigos para virem visitar o cadáver durante um período de tres semanas. Um deles até deixou cair um tijolo na cabeça da rapariga para se certificar que estava mesmo morta. Ninguém se lembrou de avisar a Polícia.
...
A Era de Kali já começou."

Como diz o autor no final:

"A Canção de Kali está conosco. Já está conosco desde há muito tempo. É um coro que cresce, cresce e cresce.
Mas existem outras vozes que devem ser ouvidas. Outras canções para ser cantadas."


Já me alonguei demasiado nesta opinião...
Resumindo: foi-me muito dificil de ler este livro, acabei por não dormir na noite em que o terminei a pensar em tudo o que temos à nossa disposição e dos nossos filhos no dia a dia, desde os livros, à musica, a Internet e muito mais coisas, cabe-nos a nós escolher a canção que queremos cantar, só nos resta que a nossa escolha seja a mais acertada.
(Bem Haja Ligiafteixeira por mais este empréstimo)

1 comentário:

Miar à chuva disse...

Hum... a tua opinião ainda me espevitou ainda mais o interesse
;-D
Fiquei mesmo curiosa...