"A Vida Num Sopro", de José Rodrigues dos Santos

"Portugal, anos 30.
Salazar acabou de ascender ao poder e, com mão de ferro, vai impondo a ordem no país. Portugal muda de vida.
As contas públicas são equilibradas, Beatriz Costa anima o Parque Mayer, a PVDE cala a oposição.
Luís é um estudante idealista que se cruza no liceu de Bragança com os olhos cor de mel de Amélia.
O amor entre os dois vai, porém, ser duramente posto à prova por três acontecimentos que os ultrapassam: a oposição da mãe da rapariga, um assassinato inesperado e a guerra civil de Espanha.
Através da história de uma paixão que desafia os valores tradicionais do Portugal conservador, este fascinante romance transporta-nos ao fogo dos anos em que se forjou o Estado Novo. "

A Minha Opinião:
Mais uma vez o autor "transporta-nos" de forma exemplar para a história que nos conta.
As descrições da Sociedade, dos costumes e das pessoas são excelentes, mostrando-nos a forma de viver do povo Português na altura da Ditadura.
A história anda à volta de um casal de namorados adolescentes que não consegue triunfar no amor devido às mentalidades que dominham as suas vidas e passados alguns anos se reencontram, mas novamente a altura não é a melhor. Girando sempre em torno deste romance o autor descreve pormenorizadamente o tempo de Guerra em Espanha, o ambiente que se vivia no seio militar em Portugal e na Sociedade em geral com as perseguições da PVDE, não esquecendo a cultura (que ele enaltece sempre nos seus livros), desta vez deu enfase ao Teatro onde brilhavam os celebres Beatriz Costa, Vasco Santana entre outros.
O Romance em si não é grande coisa, mas o modo como o autor o expõe é muito bom. Apenas tenho a referir que tanto neste livro como nos outros, o autor deveria juntar uma pequena adenda relativamente a algumas expressões usadas nos seus diálogos, pois ele recorre à linguagem popular das várias regiões do país o que é bastante engraçado, mas por vezes não se percebe muito bem o que querem dizer.
Poderia dizer muito mais sobre o livro, mas assim iria "estragar" um pouco a leitura a quem o pretende ler.
Resumindo, gostei bastante :)

1 comentário:

Ferncarvalho disse...

Concordo plenamente contigo! :) E acho que tb tinha sido uma boa ideia colocar "Notas do Autor" sobre as palavras e expressões utilizadas em "transmontano" ou mirandês (?).
:)
Foi uma bela leitura!