"O Anjo Branco" de José Rodrigues dos Santos

Sinopse:
"A vida de José Branco mudou no dia em que entrou naquela aldeia perdida no coração de África e se deparou com o terrível segredo. O médico tinha ido viver na década de 1960 para Moçambique, onde, confrontado com inúmeros problemas sanitários, teve uma ideia revolucionária: criar o Serviço Médico Aéreo.
No seu pequeno avião, José cruza diariamente um vasto território para levar ajuda aos recantos mais longínquos da província. O seu trabalho depressa atrai as atenções e o médico que chega do céu vestido de branco transforma-se numa lenda no mato.
Chamam-lhe o Anjo Branco.
Mas a guerra colonial rebenta e um dia, no decurso de mais uma missão sanitária, José cruza-se com aquele que se vai tornar o mais aterrador segredo de Portugal no Ultramar.
Inspirado em factos reais e desfilando uma galeria de personagens digna de uma grande produção, O Anjo Branco afirma-se como o mais pujante romance jamais publicado sobre a Guerra Colonial - e, acima de tudo, sobre os últimos anos da presença portuguesa em África."

A Minha Opinião:
A minha primeira leitura de 2011 :P
Como fã que sou do José Rodrigues dos Santos, quer como escritor quer como jornalista, fiquei logo entusiasmada quando soube deste seu novo livro :) e claro que como bem sabe quem me conhece "O Anjo Branco" seria um presente com que eu iria rejubilar (bem haja meus Amores!).
Neste seu romance o autor mostra-nos o quão era dificil viver em terras africanas, numa luta permanente pela vida e em constante sobressalto devido aos muitos problemas que o regime politico da Metropole acabou por originar em Ultramar.
Retratando muitissimo bem as gentes e terras de África e a forma como os Portugueses viviam além mar, este é um livro belissimo que nos faz pensar nos nossos antepassados e em muitas histórias que ainda ouvimos sobre a Guerra Colonial.
Devo dizer que foi maningue emocionante ler este livro :)
Uma leitura a não perder ;)

4 comentários:

cá-cá disse...

Ainda não acabei de ler mas também estou a adorar... Gerira, não é 'Maniche' que eles dizem é 'maningue' ; ) a não ser que isto se altere mais para o fim do livro... Bjs e boas leituras!

cá-cá disse...

Lol não queria dizer 'gerira' mas sim Betita... Mas isto está sempre a corrigir-me!!!

Betita disse...

:)Erro rectificado Cá-cá!
Bigada pelo reparo ;)
Bjs

Tiago M. Franco disse...

É quanto a mim uma boa obra. Além da reconstituição histórica da época, também gostei da forma como descreve a guerra, bem diferente do que estamos habituados a ver nos noticiários. Também gostei da forma como descreve as discriminações no ultramar que infelizmente ainda hoje existem.