"Sangue Oculto" de Charlaine Harris

Sookie terminou a sua relação com Bill após considerar que ele a traiu. Um dia, quando sai do trabalho para casa, depara-se com um vampiro nu e desorientado. Rapidamente ela percebe que ele não tem a mínima ideia de quem é nem para onde vai, mas Sookie sabe: ele é Eric e parece tão assustador e sexy – e morto – como no dia em que o conheceu. Mas agora como Eric está com amnésia, torna-se doce e vulnerável, e necessita da ajuda de Sookie – porque seja quem for que lhe tirou a memória, agora quer tirar-lhe a vida.

A investigação de Sookie leva-a a uma batalha perigosa entre bruxas, vampiros e lobisomens. Mas pode existir um perigo ou ameaça ainda maior – ao coração de Sookie, porque estando Eric mais gentil e mais doce… é muito difícil resistir.

A Minha Opinião:
Só faltavam mesmo as Bruxas :) para que Bon Temps ficasse completo quanto aos "sobres".
Nesta nova aventura Sookie trava as suas batalhas com as Bruxas que querem dominar os Vampiros, mas desta vez não conta com a juda de Eric, pois este não sabe sequer quem é.
Quanto ao romace, a nova faceta meiga de Eric deixa Sookie encantada, mas claro que ainda há uma réstia de Bill, também do bem parecido Alcides e o agora um novo pretendente Calvin, mais um metamorfo :)
Mantendo sempre a história bem apimentada, a autora aumenta cada vez mais o suspense no que diz respeito à vida amorosa de Sookie e o humor é sempre uma presença constante... se bem que neste volume notei-o menos.
Uma Saga que todos deveriam ler ;)
Fico ansiosa à espera do próximo!

"Clube de Sangue" de Charlaine Harris

Há apenas um vampiro com a qual Sookie Stackhouse está envolvida, pelo menos de forma voluntaria, e esse vampiro é Bill. Mas recentemente, ele tem estado um pouco distante. E noutro Estado.
Eric, o seu chefe sinistro e sensual, julga saber onde encontrá-lo e, quando dá por isso, Sookie está a caminho de Jackson, no Mississippi, para se infiltrar no submundo do Clube de Sangue.
Este clube é um local perigoso onde a sociedade vampírica se reúne para descontrair e beber um copo de O positivo.
Mas quando Sookie finalmente descobre Bill – apanhado num acto de traição séria – ela não tem a certeza se o quer salvar… ou afiar estacas.


A Minha Opinião:
Neste 3º Volume da Saga Sangue Fresco Sookie tem de enfrentar mais uma vez "sobres" bem estranhos e ainda enfrentar a traição do seu amado vampiro Bill.
As aventuras de Sookie no seio da comunidade dos seus amigos sobrenaturais começam a ser cada vez mais perigosas, mas ela está à altura de todas as situações.
Em Sangue Oculto Sookie forma parceria com um lobisomem de modo a salvar o Bill das garras de outros vampiros, mas claro que sempre com a ajuda de Eric.
Mais uma vez o humor bem afiado ;) de Sookie torna a leitura divertida a par com as loucuras dos "sobres", especialmente do Bubba Elvis :P
Desta vez o final é bem inesperado e Bill terá de fazer muito para que Sookie volte a perdoá-lo... e também Eric.
Sempre que sai um novo volume da Saga acho que é desta que deixo de os ler, mas a autora consegue sempre surpreender, quer com a entrada de novos "sobres" na história quer com as atitudes de Sookie que está cada vez mais desinibida e o seu humor é cada vez mais mordaz :P

"Aqueles dias em Lisboa", de Eilleen Ramsay

Três mulheres abandonadas reúnem-se numa noite de Natal: Alex, a jovem herdeira solitária que tem consumido os seus anos à espera que o homem que ama abandone a mulher; Lucy, que espera ansiosa um telefonema do namorado, mais preocupado com a imagem e o estatuto social do que com a relação de ambos; Suzanne, mãe de Lucy, que acaba de receber o mais surpreendente dos telefonemas daquele que, desde há várias décadas e até essa mesma manhã, tinha sido o seu marido...
A história da busca de uma identidade e da busca do amor que começa com este encontro - quando Suzanne entrega à filha uma caixa com recordações da avó, não imagina a busca determinada que ela irá empreender para descobrir uma verdade que ela própria nunca quis conhecer. Quem foi esse homem misterioso que desapareceu em Lisboa em 1942, no turbilhão que assolava então a Europa, deixando grávida a mãe de Suzanne? Que história conta, afinal, esse quadro enigmático, "O Tesouro de Henriqueta", com que a jovem professora de pintura ocupava os longínquas tardes da sua gravidez em Cascais e que deixou como única herança à filha? Ao ler o diário da avó, Lucy, ajudada por Alex, empreende uma investigação que as levará da Escócia ao Havai, daí a Paris e finalmente a Lisboa, onde todos os enigmas e todos os corações poderão encontrar respostas. Encontrarão também o amor?

A Minha Opinião:
Confesso que escolhi este livro apenas pelo titulo :P
Um livro que tem como cenário a nossa bela Lisboa parecia-me uma excelente leitura.
E não me enganei, pelo menos à excelente leitura, quanto ao cenário... de Lisboa teve pouco.
Mas logo nas primeiras páginas fiquei embevecida e orgulhosa do nosso país:

"Nunca tive tanto calor e nunca vi cores assim. O sol brilha no céu, que é de um azul intenso que nunca vi. Olhar para um jardim com relvados verdes bem cuidados e flores de todas as cores imagináveis pode cegar uma pessoa. Pense no dourado de um narciso de abril, multiplique-o pelo vermelho mais profundode qualquer rosa, intensifiquea cor que obtivere pode começara imaginar Portugal. O perfume das flores está por toda a parte, transportado por uma ligeira brisa. O  sol a incidir nos meus ombros ao mesmo tempo que faz resplandecer a água azul do mar é quase um experiência mistica." (pag.59)

Mas voltando ao romance: as três mulheres envolvem-se na busca das origens de Suzanne com base em velhos papeis e recortes de jornal que a sua mãe lhe deixou e também um quadro... Nessa aventura acabam por encontrar não só o que procuravam mas também uma razão para cada uma seguir em frente na vida.
Um romance escrito de forma calma, mas com uma boa dose de acção e mistério, o ideal para estes dias de chuva ;)

"A Noite do Tamarindo", de António Gómez Rufo

Salvaria a vida do seu filho à custa da morte de outra criança? Seria capaz de recorrer a métodos ilegais para comprar mais tempo de vida?
O amor ainda é o melhor refúgio do ser humano?
Porque é que os governos do mundo colocam questões éticas ao avanço da Ciência?
A Noite do Tamarindo dá resposta a estas e outras perguntas. Um romance apaixonante repleto de acção e com um ritmo espectacular que se desenvolve nos mais luxuosos cenários do mundo. Uma história para debater o futuro imediato, que já começou.

Sobre o autor:
Antonio Gómez Rufo (Madrid, 1954).Traduzida em alemão, holandês, búlgaro, português, francês, russo, húngaro, grego e polaco, a obra narrativa de Gómez Rufo tem sido elogiada pela crítica espanhola e internacional: «Uma estupenda novela sobre um dos personagens mais apaixonantes da história» (El País, sobre La Leyenda del falso traidor), «Romance tremendo, denso, subjugante. Uma delicia.» (revista Tiempo, sobre Los mares del miedo), «Um romance magnífico e necessário» (La Razón, sobre Adiós a los hombres), «Um romance romântico, de perfeição absoluta» (Kapital, Bulgária, sobre a El Alma de los peces) ou «Funciona como um relógio de fábrica, (…) cada tictac soa como tem que soar» (ABC, sobre El Secreto del rey cautivo) É também autor de outras obras como As lágrimas de Henan, Si tú supieras y Balada triste en Madrid. Com El secreto del rey cautivo obteve o Prémio de Novela Fernando Lara 2005.

A Minha Opinião:
Este livro começa com um roubo, indiciando o leitor de forma errada na história, que do nada tomo um rumo completamente diferente.
Um milionário que toda a sua vida se dedicou a aumentar mais e mais a sua fortuna, despresando aquilo que realmente importava resolve mover "mundos e fundos" para salvar a vida da sua filha que tem um grave doença e pouco tempo de vida.
Uma luta que trava consigo próprio e que vê perdida logo no inicio do romance, e aí mais uma vez o rumo da história muda.
Este é um romance que nos mostra que a palavra riqueza é sempre interpretada da pior maneira possivel.
Foi uma leitura, que confesso, me custou bastante a fazer, apesar da história não ter nada de monótona não me conseguiu entusiasmar muito.
Quanto ao Tamarindo:

"O Tamarindo é uma árvore muito peculiar: quando chega á noite o sol se põe, as suas folhas fecham-se sobre si mesmas e deixam visivel o tronco que pode ser contemplado em toda a sua nudez. Então é possivel obsevá-lo sem cobertura nem camuflagem, pois não dissimula a sua beleza, nem os seus defeitos. A indiscrição paradoxal da escuridão, a vingança da noite por roubar-lhe a luz. O mesmo sucede com muitas da emoções que aparecem na vida: à noite são mais visiveis os prazeres e os sofrimentos, as esperanças e as decepções. Mais evidente a vida; mas também mais evidente a morte." (pag.48)

Um romance "diferente", onde recomeçar é o mais importante, mas nem sempre da melhor maneira nem com os mais nobres objectivos...

Entre os Assassinatos, de Aravind Adiga


A Minha Opinião:
Neste passeio em que o autor nos leva pela cidade de Kittur, conhecendo as mais variadas personagens, das diversas castas existentes e com os seus costumes bastante peculiares era como se estivesse rodeada por aquelas paisagens, desde o mercado cheio de gente onde as cores dos Saris, das especiarias e do ouro sobressaem no sol luminoso, até à recondita sala onde as mulheres bordam dragões bem coloridos em camisas de seda com luz bantante escassa.
Para acompanhar a leitura só mesmo um Chai ;)
Ao ler este livro fiz mais uma magnifica viagem até à India, relembrando detalhes da sua cultura que já havia descoberto com outras leituras, mas sobretudo senti a cultura deste povo fascinante vista das mais variadas prespectivas.
O autor mostra-nos a Índia aos olhos de vários personagens, todos bem diferentes, mas no geral todos descontentes com a sociedade em que estão inseridos e a vida.

"Shankara pensou: "Ele pertence a uma casta mais alta que a minha, mas é pobre. Então afinal, para que serve essa coisa da casta?
Será apenas uma fantasia para entreter velhos como ele? Se disséssemos simplesmente a nós próprios: "A Casta não passa duma ficção", será que ela ia desfazer-se em fumo?; se disséssemos:"Eu sou livre", tomaríamos consciencia de que sempre fomos livres?"

Apesar da mistura de povos, linguas, religiões e ideologias na actualidade, alguns dos costumes mais antigos ainda são seguidos à risca, sobretudo no que diz respeito às Castas e a todos os rituais religiosos.
Gostei bastante da forma como autor nos guia pela cidade, fazendo sempre uma pequena introdução da zona que se segue e com a sua escrita calma a leitura desenrola-se de uma forma rápida mas serena... e qualquer duvída com os termos utilizados, o glossário no final é execelente, tantos na compreensão das expressões como da própria cultura Indiana.
Um romance histórico, que nos leva por terras Asiáticas e nos mostra que "Desejar alguma coisa na vida, (...) é reconhecer que o tempo é limitado".
Mais um Autor a seguir.
Parabéns à Editorial Presença por mais uma óptima publicação.