"Fogo Negro", de C.J. Sansom

"Estamos em 1540, no Verão mais quente do século XVI.
O corcunda mais perspicaz dos tribunais de Inglaterra, Matthew Shardlake, acreditando ter caído em desgraça junto de Thomas Cromwell, tenta passar despercebido, continuando a sua prática de advocacia. Mas o seu envolvimento num caso de homicídio, leva-o de novo à presença do vigário-geral e a uma nova missão.
Perdida durante séculos, a fórmula do Fogo Negro, a lendária substância com que os Bizantinos destruíam os navios árabes, foi encontrada na biblioteca de um mosteiro londrino. Shardlake é enviado para a recuperar mas vai antes deparar com dois corpos brutalmente assassinados e com o desaparecimento da preciosa fórmula!Agora Shardlake tem de seguir o rasto desse Fogo através da Londres dos Tudor e, simultaneamente, de provar a inocência de uma jovem cliente, acusada de assassinato, e ainda de lutar contra as forças malignas que tentam, com uma brutal tenacidade, impedi-lo de chegar a bom porto. Mas, claro está, nada é o que parece e Shardlake terá de descobrir isso a tempo de salvar a sua vida e a dos que lhe são mais próximos.Tensão religiosa, turbulência política e convulsão social - três elementos que se unem numa atmosfera de cortar à faca, que serve de cenário a esta segunda história de Shardlake. E, mais uma vez, C. J. Sansom combina magistralmente ficção histórica e mistério, construindo um extraordinário tour de force de intriga e suspense."

A Minha Opinião:
Mais uma vez fiquei deliciada a acompanhar as aventuras deste advogado corcuda da altura das grandes mudanças religiosas em Inglaterra e da troca de Rainha constante ;)
A sua forma de solucionar os seus casos é brilhante, mas mais importante é a forma como trata todos por igual, sem olhar a classes sociais, isto no meio de uma sociedade bastante problemática, com todos as controvérsias que vieram da dissolução dos mosteiros "papistas" e da morte na forca da Rainha Ana Bolena... mas lá estou eu a fugir do assunto!!!!!!
Para quem acha que não gosta de romances históricos, aconselho a pegar nestas aventuras de Matthew Shardlake!
É maravilhosa a forma como nasce uma verdadeira amizade entre o Mestre Shardlake e Barak, fico desejosa de ver os desenvolvimentos no próximo livro!

(Bem Haja Wiccaa!)

"Desaparecido" de Susan Lewis

"O que faria se tivesse acontecido consigo?
Num dia de Outono perfeitamente normal, Miles Avery deixa a sua mulher, Jacqueline, na estação de comboios.O tempo está chuvoso, o trânsito estranhamente complicado e o rádio debita as mais recentes notícias. Entre o casal não há diálogo e nenhum dos dois parece estar diferente do normal. Na estação, Miles passa pela paragem de táxis, Jacqueline sai, transportando uma pequena mala feita apenas para uma noite, e dirige-se à estação.Mas Jacqueline não volta a ser vista... Dá-se início a uma investigação e, rapidamente, as suspeitas começam a recair sobre Miles.E, à medida que os obscuros segredos do passado começam a fundir-se com os do presente, o grande amor que ele tanto lutou para proteger não só é revelado, mas também ameaçado..."

A Minha Opinião:
Uma história marcante sobre o "desmoronamento" de uma familia perante uma das tragédias que eu considero das piores que alguém pode ter.
Como sempre há os que conseguem superar minimamente e os que pura e simplesmente não conseguem seguir adiane...
Foi o caso de Jaqueline que nunca conseguiu suportar a dor da perda do seu filho e nem perdoar-se de o ter perdido.
Um livro que nos faz pensar e por à prova todo o tipo de sentimentos, desde o amor, ao ressentimento, a perda mas ainda mais importante o perdão.
Fui avançando na história sempre na espectativa de saber onde estava Jaqueline e o seu Sam...
A autora retrata muito bem a realidade...
Não esquecendo o dilema da Sharon e o esforço e solidariedade de todos em ajudá-la ;) mesmo no meio de tanta tragédia.

(Bem Haja Semidio por mais este maravilhoso empréstimo!)

"As Esquinas do Tempo", de Rosa Lobato Faria

“Quando Margarida chegou à Casa da Azenha teve aquela sensação, não desconhecida mas sempre inquietante, de já ter estado ali.”
Margarida é uma jovem professora de Matemática. Um dia vai a Vila Real proferir uma palestra e fica hospedada num turismo de habitação, casa antiga muitíssimo bem conservada e onde, no seu quarto, está dependurado o retrato a óleo de um homem que se parece muito com Miguel, a sua recente paixão.Por um inexplicável mistério, na manhã seguinte Margarida acorda cem anos atrás, no seio da sua antiga família.Sem perder consciência de quem é, ela odeia esta partida do tempo. Mas aos poucos vai-se adaptando. Conhece o homem do quadro e apaixona-se por ele. Quando ele morre num acidente, Margarida regressa ao presente."

A Minha Opinião:

Mais uma vez a autora conta-nos a história de Margarida de uma forma poética!
Margarida, como diz na sinopse, viaja um século para trás e vive como se fosse uma de suas antepassadas, também ela Margarida ;)
Mas parece que ela não é a unica que se perde nas "Esquinas do Tempo".

"Olhar nos Olhos", de Alice Peterson

"Kate tem uma vida absolutamente perfeita: é bonita, é dona de uma loja de roupas muito na moda e tem uma relação com um homem rico e bem sucedido. Mas também tem um segredo: uma irmã mais nova, Bells, que é muito diferente dela e não encaixa no mundo perfeito que ela criou para si própria. Quando os pais de Katie lhe dizem que precisam absolutamente de tirar umas férias sozinhos, ela vê-se forçada a receber a irmã no apartamento imaculado que partilha com Sam, o namorado. O problema é que Katie nunca disse a ninguém que tinha uma irmã porque Bells nasceu com uma deficiência e a sua relação com ela sempre se pautou por uma mistura de embaraço e ressentimento por o amor e a atenção da mãe sempre se terem dirigido prioritariamente à pequena e indefesa Bells. Acontece que Bells é tudo menos indefesa, e a primeira coisa que faz assim que se instala no apartamento é encher de posters foleiros do David Beckham as belas paredes brancas de Katie, ouvir Stevie Wonder no máximo do volume e meter conversa com desconhecidos no supermercado. A relação de Katie com Sam fica rapidamente abalada e as coisas tornam-se ainda mais difíceis quando Katie recebe notícias perturbadoras sobre a mãe. Mas, com a ajuda de Bells, Katie irá acabar por perceber que o amor verdadeiro tem muitas faces e que as aparências podem efectivamente ser muito enganadoras."

A Minha Opinião:


Uma história comovente de uma familia que se redescobre por conta das adversidades que a vida por vezes nos trás.
Katie acabou por descobrir que a aparencia é o que menos importa e que olhando nos olhos da sua irmã ela descobria o Amor verdadeiro que sentia por ela, mas mais que tudo aprendeu a Olhar nos Olhos... a encarar as descrimnições das pessoas em relação às pessoas com algum tipo de deficiência.
É triste é sabermos que há discriminações a todos os minutos!
Este é um daqueles livros que aconselho a todos.
Vou ficar atenta a outras publicações da autora.

"Para Sempre, Talvez", de Cecelia Ahern

"Rosie e Alex vivem em Dublin e conhecem-se desde a escola primária. Sempre se mantiveram amigos e passaram juntos por muitas experiências desde a gravidez, ao casamento e divórcio. Um dia a distância separa-os: Alex parte com os pais para os Estados Unidos e Rosie sente-se muito sozinha. Consciente de que iria encontrar a felicidade junto de Alex, planeia ir ter com ele a Boston mas o destino força-a a manter-se na Irlanda. Uma série de malentendidos e azares deixa-os afastados e quando finalmente se reencontram não sabem o que fazer com a atracção que esteve sempre presente. Contado inteiramente através de correspondência escrita desde emails a cartas é um romance subtil e encantador sobre as nuances da amizade e amor."

A Minha Opinião:

Quando iniciei este livro achei logo que ia parar nas primeiras páginas devido à forma como está escrito ;)
Mas na realidade isso não aconteceu!
Depois das primeiras páginas, as seguintes foram passando com uma rapidez estonteante pois a evolução da história é realmente contagiante!
Senti-me como se estivesse a abrir o correio de outra pessoa ;)
Fez-me voltar aos bancos da escola e pensar nas amizades verdadeiras que por lá fiz...
Com esta leitura percebi que muito se perde nas "entrelinhas" dos bilhetinhos de escola e actualmente nos emails que se trocam, e que, por isso só passado muito tempo nos apercebemos o quão eram importantes aquelas amizades de há 20 anos atrás...
Eu infelizmente já não fui a tempo de reatar a minha grande amizade dos bancos de escola, como o Alex e a Rosie, pois a vida tirou-me essa oportunidade, mas ainda hoje se alguém me perguntar quem foi sempre a minha melhor amiga a resposta vem de forma inconsciente pois tudo na vida passa... menos a Verdadeira Amizade!

Crisálida, de Louise Bagshawe

"Que enervantes parecem todas aquelas criaturas cheias de glamour que rodeiam Anna Brown. Anna, uma leitora de argumentos cinematográficos, é uma espécie de patinho feio, que suporta com dificuldade o confronto com a beleza alheia. Um namorado horrível e um emprego sem perspectivas também não ajudam. Até que, num encontro de acaso, entre casacos e gabardinas, choca com Mark Swan, um célebre realizador, fechado e poderoso, com o qual todas as mulheres sonham. É claro que ele podia representar a oportunidade de Anna precisa para mudar a sua vida - mas como pode conquistá-lo? Cansada de se sentir inferior aos outros e do seu permanente desânimo, Anna decide actuar. Será que, com uma ajuda dos amigos, e um pano absolutamente fenomenal conseguirá obter o que deseja?"

A Minha Opinião:

Uma história engraçada!

Este é um daqueles livros bons para ler nas férias, para descontrair! Situações engraçadas e não é necessário muita concentração para seguir a história!

(Bem Haja Semidio!)

O Regresso, de Victoria Hislop

"Nas ruas calcetadas de Granada, sob as majestosas torres de Alhambra, ecoam musica e segredos. Sónia Cameron não sabe nada sobre o passado chocante da cidade; ela está lá para dançar. Mas num café sossegado, uma conversa casual e uma colecção intrigante de fotogrfias antigas despertam a sua atenção para a história extraordinária da devastadora Guerra Civil Espanhola.Setenta anos antes , o café era a casa da unida familia Ramirez.Em 1936, um golpe militar liderado por Franco destrói a frágil paz do país e, no coração de Granada, a familia testemunha as maiores atrocidades do conflito. Divididos pela politica e pela tragédia, todos têm de tomas uma posição, travando uma batalha pessoal enquanto a Espanha se autodestrói."


A Minha Opinião:

Peguei neste livro com as espectativas lá no alto, pois adorei "A Ilha"!
Gostei bastante, mas...
Acho que autora acabou por "abusar" um pouco na História da Guerra Civil espanhola descrevendo episódios sangrentos e medonhos, mas o facto é que a maioria deles aconteceu, como o do Campo de Touros de Badajoz...
Apesar dos horrores que descreve, essa parte do livro acaba por ser a melhor... achei a "história da vida" da Sónia bem fraquinha, acho que devia ter-lhe dado uns contornos diferentes para entusiasmar a leitura.
De resto é um livro bem conseguido e tudo se encaixa no final, como previsto desde o inicio!

A Caixa da Borboleta, de Santa Montefíore

"Ramon precisa de viajar pelo mundo. Quando conheceu a mulher, Helena, ela sabia da sua paixão e seguia-o nas suas aventuras. Com o nascimento dos filhos tudo se altera. Helena fica no Chile enquanto o marido continua as suas explorações pelo mundo. A quem não parece incomodar a ausência do pai é a Frederica, a sua filha. Aguarda-o a cada viagem com igual entusiasmado, ansiosa por ouvir as suas histórias e descobertas. No regresso de mais uma das suas incursões pelo Peru, Ramon oferece à filha uma caixa com pedras incrustadas em forma de borboleta. Aquele caixa, assim conta à filha, teria pertencido a uma princesa inca... Frederica fica encantada com o presente. A distância cresceu contudo entre os pais e Helena decide regressar com os filhos à Cornualha, na Inglaterra. Frederica não se conforma. Muito ligada ao pai guarda a caixa da borboleta que ele lhe ofereceu como um dos seus mais queridos objectos. Em Inglaterra tem de se adaptar a uma nova vida, mas, já só mulher, descobre o verdadeiro segredo daquele presente. Descobrindo o amor e a perda, a jovem Frederica embarca numa viagem de auto descoberta. Ou se afunda na tristeza, ou se ergue mulher, inteira, mais forte do que nunca. História de amor, perda e transformação vivida entre a paisagem chilena as zonas rurais de Inglaterra."

A Minha Opinião:
Neste romance a autora brinda-nos com, não uma mas várias, histórias de Amor!
Temos o Amor de Ramón pela esposa e pelos filhos, que apsar de longe nunca esmorece, depois temos o Amor dos pais pelos filhos e por fim o Amor incondicional de Frederica por um pai ausente, no final tudo se centra na bela Caixa da Borboleta... Tudo se resume ao Amor e ao facto de sabermos aceitar a vida e os sentimentos dos outros, mas sobretudo saber respeitar esses sentimentos...
Santa Montefíore é sem duvida nenhuma uma das minha autoras de eleição.