"A Última Viagem de Valentina", de Santa Montefíore

Após o final da Segunda Guerra Mundial, um aristocrata excêntrico é assassinado no seu palazzo italiano. Vinte anos mais tarde, este crime por resolver toca a vida de Alba, uma rapariga que vive num barco em Chelsea, na década de 1960.
Entre estas duas épocas estende-se uma narrativa de amor, decadência e traição que conduz Alba até à costa de Amalfi, ao drama da guerra e à decadência da tragédia. O passado ressurge, revelando uma teia secreta de resistentes e nazis, de camponeses e condes e, no centro de tudo, uma fascinante e misteriosa mulher -  a sua Mãe.
Alba não irá investigar apenas um homicídio: investiga igualmente uma verdade proibida, e o que descobre no passado é doloroso, mas é a porta para o seu próprio futuro.
De escrita sensual e emotiva, Santa Montefiore apresenta assim um intemporal épico recheado de suspense e mistério que conduz o leitor até à aristocrática Londres e à Itália dos anos 40, quando a ascensão nazi singrava pela Europa.



A Minha Opinião:
Mais uma vez a autora leva-nos para um cenário marcado pela II Guerra Mundial, personagens com recordações, com personagens sempre envoltas em grande mistério. Mas desta vez não visitamos a Argentina... Em "A Ultima Viagem de Valentina" viajamos até à bela Itália, a uma ilha Encantada onde apesar do triunfo do amor em tempos de guerra, a tragédia e o misticismo acabam por tomar parte da história.
Alba viveu toda a sua vida sem nunca poder falar sobre a Mãe: Valentina, uma italiana lindissima que o pai conheceu durante a Guerra e que morreu alguns dias após o seu nascimento.
Vivendo uma vida libertina, a bordo de um barco, tentando a todo o custo chocar o pai mas especialmente a "terrível" madrasta que ocupou o lugar de sua mãe, Alba define um plano para conseguir descobrir tudo aquilo que sempre quis saber sobre a sua mãe e o casamento de seus pais.
A chegada a Incantatatta, depois de uma tortuosa viagem, é como um sonho! O reencontro com os familiares de sua Mãe, com as suas coisas e com os lugares onde os seus pais tanto se amaram tornam Alba em alguém diferente... mas como sempre nos livros desta autora nem tudo é o que parece ;)
Depois claro que temos também o grande amor de Alba, que à medida que a história avança ela descobre e redescobre... um final mais uma vez cheio de grandes surpresas ;)

"A Andorinha e o Colibri", de Santa Montefíore

"George partiu para a guerra. Rita, a namorada de infância, alegra-se com o seu regresso mas cedo percebe que o homem que amava mudou. Distante, guardando para si as histórias de guerra que o atormentam, aceita o convite da tia e parte para a Argentina. Não quer contudo que Rita o acompanhe. Ela promete esperar, mas muito acontecerá até ao seu regresso a Devonshire. Uma tocante história de amor e auto-descoberta entre a Inglaterra e a Argentina do pós-guerra. George partiu rapaz, regressa homem. Para trás deixou a pequena vila rural onde nasceu e onde planeara viver toda a sua vida (ao lado de Rita). Mas quando volta à terra Natal George não é já o mesmo. Inquieto, incapaz de assentar, decide aceitar o convite da tia que tem uma quinta na Argentina e parte sem a noiva de infância. Ela ainda promete esperar, e também ele espera voltar a apaixonar-se por ela, mas cada um vai viver a sua própria vida, em continentes diferentes. Voltará o destino a uni-los? Uma intensa saga de família, reveses, amor e reencontros, a envolver-nos do princípio ao fim de mais um romance assinado por Santa Montefiore."

A Minha Opinião:
Pois é, parece que esta é a minha Autora do mês :P
Terminei à pouco mais este excelente livro de Santa Montefíore e tenho de confessar que mais uma vez adorei.
Rita esperou anos o regresso do deu grande Amor. Após uma guerra em que muitas vidas se perderam, era um benção ele regressar são e salvo para os seus braços. Foi um sonho os dias que se seguiram ao seu regresso, até ao momento em que George decide que antes de casarem tem de viver a sua juventude desperdiçada no tempo de guerra. George parte assim para a Argentina deixando para trás Rita e um sem fim de promessas... mas tudo muda!!!
A partir daqui dão-se os mais variados acontecimentos que enriquecem ainda mais a história dos dois personagens principais tornando este livro em mais um tesouro desta excelente autora :)
As personagens são todas bastante marcantes, desde a pequena Eddie que tem como animal de estimação um morcego, até a Dolores a cozinheira carrancuda da grande fazenda na Argentina.
Quanto às aves, elas são uma presença dominante em toda a história, fazendo companhia à "bruxa" e aos seus gatos ;)
George faz as suas escolhas, assim como Rita acabará por também ter de se decidir a seguir com a sua vida...
Se ainda não leram nada da Autora nem imaginam o que estão a perder ;)

"A Virgem Cigana", de Santa Montefíore

"Mischa conhece bem a sensação de abandono. O seu pai alemão desapareceu no final da guerra, deixando-o e à mãe entregues ao ódio e ao desprezo dos outros habitantes da vila francesa. O seu padrasto também desapareceu, sem uma palavra. E estas são as cicatrizes que marcarão para sempre este homem. Só quando a mãe morre, deixando um célebre quadro do Ticiano, que Mischa nunca sonhou existir, no seu testamento, é que Mischa parte em busca do seu próprio passado. Regressa à vila francesa e desvenda o mistério da Virgem Cigana."

A Minha Opinião:
Mais uma vez a autora encanta com a sua escrita calma e simples que faz com que a leitura decorra de uma forma rápida e bastante entusiasta.
A história do pequeno Mischa e da sua Mãe Anouk leva-nos até a um Castelo em França onde toda a paisagem é idílica mas onde eles vivem um autêntico pesadelo.
No final da II Guerra Mundia o pequeno Mischa e a sua mãe são acusados de traição... ela porque casou com um Alemão e ele por ser seu filho. Tais foram os ataques que lhes fizeram que o pequeno acaba por perder a fala com o choque.
Cresce no Chateaux, sempre escondido pelos cantos a espiar tudo e todos, mas sempre acompanhado pelo seu amiguinho "imaginário"... o pequeno Pistou :P
Mas como em quase todas as histórias aparece um heroi, e é aqui que entra o Coiote, mas não posso contar muito mais ou então desvendo todos os momentos bons que pode proporcionar-vos a leitura deste livro ;)
 Apenas quero ainda fazer uma pequena comparação dos personagens deste livro com as de Joanne Harris em Chocolate, o nome da mãe é mesmo o facto de ser o vento que trás e leva o Coiote ;)
Adorei :)

Atenção!!!! - Editorial Presença

Estejam Atentos!!!






 

"Procuro-te", de Lesley Pearse

"Sacrificaria o amor da sua vida em nome do passado?"
Daisy tem apenas vinte e cinco anos quando a mãe morre nos seus braços. Embora saiba há muito que foi adoptada, sempre se sentiu amada pelos pais e pelos irmãos. Para Daisy, aquela é a sua família. Todavia, o luto vai abalar o equilíbrio doméstico e revelar rivalidades encobertas. A serenidade dá lugar à devastação, e a jovem sente que é a altura certa para partir em busca das suas raízes e confrontar-se com o passado.
Na ânsia por saber mais sobre Ellen, a sua mãe biológica, e à medida que vai desvendando a história da família, Daisy descobre as duras verdades por detrás do seu nascimento. Dotada de uma inabalável determinação, Ellen sobrevivera a uma infância traumática: a morte da sua própria mãe estava envolta numa aura de mistério e os maus-tratos de que fora vítima às mãos da madrasta haviam-na marcado irremediavelmente. O destino quis que a sua coragem fosse constantemente posta à prova. O tempo encarregou-se de apagar o rumo dos seus passos.
Mas Daisy não desistirá de a encontrar, nem que para tal tenha de renunciar ao amor da sua vida.

A Minha Opinião:
Estava realmente desejosa de ler este novo livros de Lesley Pearse.
Depois de ter adorado o "Nunca me Esquecas" confesso que coloquei as expectativas lá bem no alto em relação a este.
Não é que me tenha desiludido, mas não me encheu relamente as medidas :)
A história é "engraçada" envolve-nos logo nas primeiras páginas mas a verdade é que estava à espera de algo diferente. Quanto à pergunta que acaba por despertar a nossa atenção na Sinopse: "Sacrificaria o amor da sua vida em nome do passado?" não tem qualquer sentido decorrer de toda a história, procurei e procurei... mas não encontrei :P
Vale a pena ler pois quando já não se está à espera de qualquer melhoria há a grande reviravolta final.

"O Nome do Vento", de Patrick Rothfuss

Da infância como membro de uma família unida de nómadas Edema Ruh até à provação dos primeiros dias como aluno de magia numa universidade prestigiada, o humilde estalajadeiro Kvothe relata a história de como um rapaz desfavorecido pelo destino se torna um herói, um bardo, um mago e uma lenda. O primeiro romance de Rothfuss lança uma trilogia relatando não apenas a história da Humanidade, mas também a história de um mundo ameaçado por um mal cuja existência nega de forma desesperada. O autor explora o desenvolvimento de uma personalidade enquanto examina a relação entre a lenda e a sua verdade, a verdade que reside no coração das histórias. Contada de forma elegante e enriquecida com vislumbres de histórias futuras, esta "autobiografia" de um herói rica em detalhes é altamente recomendada para bibliotecas de qualquer tamanho

A Minha Opinião:
Para quem gosta deste género de livros, O Nome do Vento  tem todos os ingredientes para tornar a sua leitura numa verdadeira aventura.
Confesso que fiquei assustada com as suas 966 páginas e foi-me bastante dificil andar a carregá-lo nestas ultimas semanas :P, mas tenho de admitir que todas as páginas foram merecidas, da primeira à ultima palavra.
Quanto à capa está mesmo excelente para retratar a história tenebrosa e misteriosa :)
A aventura inicia-se na estalagem "Pedra no caminho" onde o estalajadeiro vive o seu dia a dia de forma tranquila nunca mostrando aquilo que ralmente foi o seu passado, até que aparece um forasteiro:  o Cronista.
Quando resolve contar-nos a sua história sentando numa das mesas da sua estalagem e bastam algumas páginas para nos esquecermos da Pedra do Caminho, voltando lá de vez em quando para pequenos interlúdios ;)
Entramos num mundo de aventuras, "simpatias", alquimia mas também de muito sofrimento.
Fica a ansiedade da publicação do 2º Volume...

"Numa Terra Estranha", de Jhumpa Lahiri

Numa Terra Estranha é o título genérico deste volume que reúne oito contos da vencedora do Booker Prize de 2000.
São histórias que aprofundam a condição dos indianos no Ocidente, tentando manter as tradições e costumes do seu país de origem.
Mas é difícil manter essa fortaleza contra a solidão e o isolamento, quando inevitavelmente a teia protectora se rompe perante os novos desafios.
Estas cinco histórias autónomas e uma trilogia, numa prosa esplendorosa e renovadora e comovente, leva-nos de Cambridge, Seattle ou Roma, para a Índia ou a Tailândia, à medida que entramos nas vidas de irmãos e irmãs, pais, amigos e amantes.

A Autora:
Jhumpa Lahiri nasceu em Londres (1967), filha de pais oriundos de Bengali, e cresceu em Rhode Island. É a celebrada vencedora do Booker Prize de 2000, uma distinção raramente atribuída a um livro de contos, traduzido em Portugal com o título Intérprete e Enfermidades, e é também autora de Bom Nome (2003), também disponível em língua portuguesa, que entrou directamente para o primeiro lugar da lista dos mais vendidos do New York Times e foi adaptado ao cinema. Numa Terra Estranha é já reconhecido como um dos livros mais notáveis desta primeira década do século XXI, com direitos de publicação adquiridos para mais de vinte países.

A Minha Opinião:
Este é um livro ideal para ler quando não temos muito tempo ;)
É composto por pequenas e simples histórias, que quando terminam nos deixam de um "gostinho" de querer saber mais...
A autora mostra-nos pequenos episódios da vida de alguns Indianos que mudam toda a sua vida e familia para uma "Terra Estranha", onde apesar de tentarem ao máximo manter todas as suas tradições e costumes elas acabam por se ir perdendo aos poucos, sobretudo para os mais jovens quando se apercebem que há muito mais para viver para além da imposições das tradições Indianas.
De todos os contos o que mais gostei foi a de Hema e Kaushik, talves por ser uma pequena triologia e haver um desfecho inquestionável, enquanto que nas outras havia uma "brecha" para que imaginássemos o que aconteceria aos personagens, neste conto tudo é decidido.
A autora presenteia-nos com uma escrita simples e bastante acessível, tornando a leitura agradável e bastante serena, permitindo-nos entrar na vida dos personagens de uma forma sublime.
Uma autora que desconhecia mas à qual pretendo dedicar mais algum tempo ;)